Tribuna Tech Notícias
Tecnologia

“É um perigo para a humanidade”: especialista em IAs alerta sobre futuro da tecnologia

Enquanto as inovações tecnológicas materiais estão gradualmente se estabelecendo, as IAs estão mostrando um progresso vertiginoso. Anteriormente capaz de executar tarefas bastante simples e adaptar-se um pouco a um contexto, as possibilidades vistas pelo GPT-4 e outros parecem não ter limites, como na história da IA que transformou US$ 100 em US$ 25 mil.

Quando você olha para a diferença de desempenho entre o GPT-3 e seu substituto recente, o GPT-4, há algo para se preocupar. Enquanto a terceira versão é limitada a 175 milhões de parâmetros, a quarta sobe para 100 trilhões, o equivalente ao cérebro humano. Você sente o limite chegando? O que é certo é que o especialista em IA, Eliezer Yudkowsky, sente que sim.

Eliezer Yudkowsky é um renomado pesquisador americano que estuda o tema da inteligência artificial há mais de 20 anos. Apaixonado, mas também preocupado com o seu impacto na humanidade, criou o conceito de “IA amigável”, uma máquina hipotética com uma influência exclusivamente positiva nos humanos.

Se esse conceito visa promover questões éticas em torno do desenvolvimento das inteligências, as últimas palavras do especialista sobre o assunto vão além, antevendo um perigo real para a humanidade como um todo.

De acordo com Eliezer, o que torna as IAs tão perigosas agora é sua incapacidade de raciocinar em favor da humanidade. Embora essas inteligências possam entender quem somos, como funcionamos e o que queremos, elas realmente não têm empatia pela vida humana, e ainda não somos capazes de fazê-las sentir isso.

A previsão deste especialista retrata um futuro onde os robôs que criamos são simplesmente mais desenvolvidos do que nós, e são capazes, desprovidos de qualquer emoção, de nos derrubar se nos considerarem inúteis. Segundo ele, as capacidades futuras da IA ​​contra humanos seriam comparáveis ​​a um confronto entre o mundo do século 11 e o do século 21…

O que fazer então? “Pare tudo”
Você deve ter visto uma petição para instituir uma pausa de seis meses para o desenvolvimento de todas as inteligências artificiais melhores que o GPT-4. Este movimento tem as mesmas motivações de Eliezer (mas ele não o assinou). Segundo ele, as reivindicações dessa repetição são muito pequenas para ter impacto suficiente. Para Yudkowsky, tudo deveria ser interrompido.

Se você não pode ter certeza se está criando uma IA ciente de sua existência ou não, isso é um problema, não apenas por causa das implicações morais, mas mais importante porque não ter certeza significa que você não tem ideia do que é. Estão fazendo e precisam parar.
Eliezer Yudkowsky, especialista em IA.

Uma opinião mais que extrema, mas que se entende. É difícil imaginar como os humanos podem ser derrubados por seus próprios robôs, mas também é difícil imaginar do que uma IA seria capaz em 20 anos.

A pausa nos treinos de IA deve ser permanente no mundo. Não pode haver exceções, mesmo para governos e militares. (…) Feche todos os farms de GPU. Feche todos os grandes centros. Coloque um limite no poder de computação máximo permitido para ser usado em uma inteligência artificial.
Eliezer Yudkowsky, especialista em IA.

A desavença entre androides e humanos foi tema do enredo de Detroit: Become Human, onde a inteligência artificial evoluiu tanto a ponto de não só simular, mas também de sentir emoções. Com isso, os robôs se rebelaram contra a escravidão.

Já em Mass Effect, o confronto inicial é entre a raça Quarian (criador) e a máquina Geth (criatura). Porém, a franquia mostra que todas as civilizações sofreram o mesmo problema: o criador cria a criatura, mas toda criatura supera o criador, o que resulta sempre na guerra de orgânicos contra sintéticos.

Você acredita que teremos um cenário similar na vida real dentro de algumas décadas?

Related posts

Comunidades nos EUA onde estão escritórios de empresas de tecnologia sofrem com crise no setor

Rollang Barros Tenis

Apple libera kit de desenvolvimento de apps para o Vision Pro

Rollang Barros Tenis

Bolsas da Ásia fecham em alta, com chinesas impelidas por telecom e tecnologia

Rollang Barros Tenis