Tribuna Tech Notícias
Tecnologia

As redes sociais são viciantes? Veja o que a ciência diz

Um grupo de 41 estados e o Distrito de Colúmbia entraram nesta terça-feira com uma ação na Justiça contra a Meta, a empresa controladora do Facebook, Instagram, WhatsApp e Messenger, alegando que a empresa usou conscientemente recursos em suas plataformas para fazer com que as crianças e adolescentes as usassem compulsivamente, apesar de a empresa garantir que seus sites de mídia social eram seguros para os jovens.

“A Meta aproveitou tecnologias poderosas e sem precedentes para seduzir, envolver e, por fim, enredar jovens e adolescentes. Seu motivo é o lucro”, disseram os estados em sua ação judicial apresentada no tribunal federal.

As acusações levantam uma questão mais profunda sobre comportamento: os jovens estão se tornando viciados em mídia social e na internet? Veja o que as pesquisas descobriram.

O que torna a mídia social tão atraente?
Especialistas que estudam o uso da internet afirmam que o fascínio magnético da mídia social decorre da forma como o conteúdo influencia nossos impulsos e conexões neurológicas, de modo que os consumidores têm dificuldade em se afastar do fluxo de informações que chega.

David Greenfield, psicólogo e fundador do Center for Internet and Technology Addiction em West Hartford, Connecticut, disse que os dispositivos atraem os usuários com algumas táticas poderosas. Uma delas é o “reforço intermitente”, que cria a ideia de que o usuário pode receber uma recompensa a qualquer momento. Mas o momento em que a recompensa chega é imprevisível.

— É como uma máquina caça-níqueis — disse Greenfield.

Assim como em uma máquina caça-níqueis, os usuários são atraídos por luzes e sons. E ainda mais poderoso, por informações e recompensas adaptadas aos interesses e gostos do usuário, esclarece.

Cérebro ainda em desenvolvimento
Os adultos são suscetíveis, observou o psicólogo, mas os jovens estão particularmente em risco porque as regiões do cérebro envolvidas na resistência à tentação e à recompensa não são tão desenvolvidas em crianças e adolescentes quanto em adultos.

— Eles têm tudo a ver com impulso e não muito com o controle desse impulso — acrescentou Greenfield sobre os jovens consumidores.

Além disso, afirmou, o cérebro adolescente está especialmente sintonizado com as conexões sociais, e “a mídia social é uma oportunidade perfeita para se conectar com outras pessoas”.

A Meta respondeu à ação judicial dizendo que havia tomado muitas medidas para apoiar as famílias e os adolescentes.

“Estamos desapontados com o fato de que, em vez de trabalhar de forma produtiva com empresas de todo o setor para criar padrões claros e adequados à idade para os muitos aplicativos que os adolescentes usam, os procuradores gerais escolheram esse caminho”, disse a empresa em um comunicado.

A compulsão é igual ao vício?
Durante muitos anos, a comunidade científica geralmente definia o vício como um padrão relacionado a substâncias, como drogas, e não a comportamentos, como jogos de azar ou uso da internet. Isso tem mudado gradualmente.

m 2013, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, referência oficial para condições de saúde mental, introduziu a ideia de vício em jogos na internet, mas disse que mais estudos são necessários antes que a condição pudesse ser formalmente declarada.

Um estudo posterior explorou a ampliação da definição para “vício em internet”. O autor sugeriu explorar ainda mais os critérios de diagnóstico e a linguagem, observando, por exemplo, que termos como “uso problemático” e até mesmo a palavra “internet” estavam abertos a uma ampla interpretação, dadas as muitas formas que a informação e sua distribuição podem assumir.

Impacto no sono e na escola
Michael Rich, diretor do Digital Wellness Lab do Boston Children’s Hospital, disse que não incentiva o uso da palavra “vício” porque a internet, se usada de forma eficaz e com limites, não é apenas útil, mas também essencial para a vida cotidiana.

— Prefiro o termo “uso problemático da mídia na internet” — disse Rich.

Greenfield concordou que há claramente usos valiosos para a internet e que a definição de quanto é demais pode variar. Mas admite que também há casos claros em que o uso excessivo interfere na escola, no sono e em outros aspectos vitais de uma vida saudável.

  • Muitos jovens consumidores não conseguem largar a internet. A internet é um hipodérmico gigante, e o conteúdo, incluindo as mídias sociais como as da Meta, são as drogas psicoativas – concluiu Greenfield.

Related posts

Como a tecnologia ajuda a melhorar a vida das pessoas

Rollang Barros Tenis

Setor de tecnologia de Israel pode enfrentar interrupções de produção após ataques, diz Reuters

Rollang Barros Tenis

Tecnologia que ‘reorganiza’ átomos em lavouras pode acelerar secagem de grãos

Rollang Barros Tenis