Tribuna Tech Notícias
Uncategorized

Google lança Gemini, sua inteligência artificial mais poderosa; veja como ela funciona

Modelo foi integrado ao Bard, rival do ChatGPT e chegará a outros produtos do Google, como Busca e Chrome, nos próximos meses. IA foi criada para funcionar tanto em infraestruturas grandes, como as de data centers, quanto em celulares.

O Google lançou nesta o Gemini, modelo de inteligência artificial (IA) que é tratado pela empresa como o mais poderoso já criado por sua equipe. Ele funciona como o “motor” do Bard (concorrente do ChatGPT), mas, por enquanto, está disponível apenas em inglês.

A exemplo do ChatGPT, o Bard é um chatbot (robô conversador): funciona como uma página de bate-papo. Baseado em aprendizado de máquina (“machine learning”, em inglês)., ele é capaz de “imitar” humanos ao fornecer respostas a perguntas feitas pelos usuários.

Para gerar mensagens com as informações solicitadas, essas ferramentas usam uma infinidade de textos disponíveis na internet.

O Gemini também poderá ser usado por outros aplicativos e, na prática, vai competir com ferramentas como o GPT-4, o modelo de IA da OpenAI usado no ChatGPT.

Segundo o Google, o Gemini superou a capacidade humana em um teste de conhecimento e solução de problemas que combina 57 temas, incluindo matemática, física e história. A empresa também diz que ele se saiu melhor nesse teste do que o GPT-4.

O Google informa que a abordagem para desenvolver o Gemini foi um pouco diferente da adotada em outros modelos de inteligência artificial multimodais, isto é, que conseguem entender ao mesmo tempo diferentes formatos de mensagens, como textos, imagens, áudios e códigos.

veja respostas para as seguintes perguntas sobre o Gemini:

  • O que o Gemini pode fazer?
  • Como o Gemini funciona?
  • Quando ele estará disponível?
  • O que torna o Gemini mais poderoso?
  • O Gemini é confiável?

O que o Gemini pode fazer?

Segundo o Google, o Gemini será útil em tarefas que exigem mais capacidade de raciocínio. Ele poderá ser usado tanto para ajudar programadores com códigos complexos quanto estudantes com a lição de casa, por exemplo.

Em uma demonstração divulgada pela empresa, o Gemini serviu para analisar a foto de um exercício de física e identificar um erro no cálculo (veja acima). Graças a essa IA, foi possível encontrar a solução correta. Ela também criou problemas semelhantes para o usuário tentar resolver.

Como o Gemini funciona?
O Gemini é o modelo de IA mais flexível já desenvolvido pelo Google. A ideia é que ele consiga rodar tanto em infraestruturas grandes, como as de data centers, quanto em dispositivos mais limitados, como celulares.

Para atender a esse objetivo, a nova inteligência artificial terá três versões:

  • Gemini Ultra: maior e mais poderoso, voltado para tarefas altamente complexas – será liberado apenas em 2024.
  • Gemini Pro: voltado para rodar uma ampla gama de tarefas e atender a usuários, a partir desta quarta-feira no Bard, e a desenvolvedores, a partir de 13 de dezembro.
  • Gemini Nano: vai rodar diretamente nos dispositivos móveis para os quais foi criado, o que lhe permite funcionar mesmo quando não há internet – disponível no Pixel 8 Pro, o celular do Google, para criar resumos de áudios e sugerir respostas inteligentes no WhatsApp.

Quando ele estará disponível?

No início de 2024, o Google vai lançar o Bard Advanced, que contará com o Gemini Ultra. Ainda segundo a empresa, nos próximos meses o Gemini se integrará a produtos como Busca e Chrome.

Na avaliação do Google, esse método permite realizar algumas tarefas, como descrever imagens, mas tem limitações nos casos que exigem mais raciocínio.

O Gemini é confiável?

O Google admite que, assim como toda IA, o Gemini está sujeito ao problema de alucinação, um erro que faz a resposta de um robô incluir informações incorretas, tendenciosas ou sem sentido.

empresa, no entanto, diz que o Gemini é capaz de fazer as melhores avaliações de segurança de uma IA já criada por sua equipe. O objetivo é que ela seja capaz de evitar conteúdo violento ou estereotipado, por exemplo.

A criação do Gemini envolveu ainda o treinamento sobre o que não deve ser exibido aos usuários a partir de um conjunto de 100 mil frases consideradas tóxicas retiradas da internet. Um grupo de especialistas independentes também iniciou os trabalhos para testar os limites da nova IA.

“Estamos abordando esse trabalho com ousadia e responsabilidade”, disse Sundar Pichai, diretor-executivo da Alphabet, controladora do Google.

“Isso significa sermos ambiciosos em nossa pesquisa e buscar capacidades que trarão benefícios enormes para as pessoas e a sociedade, ao mesmo tempo em que construímos salvaguardas e trabalhamos em colaboração com governos e especialistas para enfrentar os riscos à medida que a IA se torna mais capaz”, afirmou ele.

Related posts

Lula sanciona lei que regulamenta apostas esportivas, mas veta isenção de IR para ganhos de até R$ 2,1 mil

Rollang Barros Tenis

Os desafios da brasileira que vai comandar aplicativo rival do Tinder a partir desta terça

Rollang Barros Tenis

Primeiros socorros para picadas de insetos venenosos: como lidar com o desconforto e a coceira

Rollang Barros Tenis